Jornal do Caminhante - Lua (2)

Caminhe juntamente com a Lua, no céu estrelado!

Não se preocupe se você mora em cidade grande e com o céu cheio de luzes poluentes que escondem os brilhos da maioria das estrelas! Quem é que não consegue ver a Lua?

Estarei apresentando, inicialmente, a você o Caminho da Lua através dos céus estrelados, em seu andar desde o oeste de Lua Nova até o leste de Lua Cheia, e seu aparente retorno... Mostrarei a você apenas aquelas estrelas mais brilhantes, mais proeminentes, mais visíveis para todos, bem como algumas constelações também mais definidas.

Vim morar na roça exatamente para poder sempre estar sob o manto estrelado dos céus mais escuros, sem a poluição das luzernas das grandes cidades... Sendo assim, sempre que quiserem, venham ao Sítio das Estrelas para se maravilharem com as estrelas, com os Planetas, com a Lua...

A maneira mais fácil de começarmos a olhar para o céu é através do caminho que a Lua vai realizando ao longo do mês, desde seu ciclo de Lua Nova, passando por Lua Crescente, Lua Cheia e finalmente, Lua Minguante...

Primeiramente, é preciso que tenhamos em mente aquilo que se denomina a Eclíptica - que é o caminho que o Sol, em seu aparente andar, vai realizando ao longo de um ano. Veja bem¸ eu disse "em seu aparente andar". Sabemos todos que tudo sob o Tao da Criação se movimenta - menos o próprio Tao. Além do Tao, tudo é mutável; apenas o Tao é imutável. Deus é imutável. Porém, existem movimentos que são reais e outros movimentos que são apenas aparentes, ou seja, parecem que são mas não são.

Esse andar do Sol ao longo de todo o céu estrelado, perfazendo a Eclíptica, é apenas um movimento aparente. E a verdade é que esse aparente movimento é seguido por nossa Lua, pelos Planetas, pelos asteróides e pelos planetóides. Se vivêssemos em Júpiter, também acharíamos que a Terra estaria seguindo esse mesmo caminho. Isso acontece, porque ao longo do caminhar de todos os Planetas em torno do Sol, temos essa percepção, inclusive do próprio Sol.

A Lua, os Planetas, asteróides e planetóides, volta e meia, parecem um tanto que se deslocaram no caminho do Sol, a Eclíptica propriamente dita. É que existe a possibilidade deles se movimentarem, sim, um pouco mais ao norte e um pouco mais ao sul - sempre tendo como limites, ao norte, o Trópico de Câncer e ao sul, o Trópico de Capricórnio – assim nomeados exatamente em função de atuarem como esses limites de andamento. É por isso que volta e meia vemos a Lua fazendo uma conjunção com um Planeta, sendo que a Lua passa mais ao sul, por exemplo, enquanto o Planeta transita um dedinho mais ao norte.

JANINE MILWARD trabalha há muitos e muitos anos como astróloga profissional, professora de astrologia e escritora. Fundamentalmente estruturada na Astrologia da Alma e do Auto-Conhecimento tem formação em psicanálise, mas dedicou-se bem mais à astrologia, fazendo uma bela fusão entre o conhecimento da psiquê, suas motivações, seus arquétipos e mitos * Mar de Espanha/MG * (32) 9963-0439 * janine@powermail.com.br [para acessar o indicador profissional clique sobre o nome da autora]

Hospedagem