Muitas Verdades Sobre a Vida - Yeda (5)

Em Barcelona – relembrando o passado Museu Histórico de Barcelona – recordei a velha cozinha da casa onde cresci – uma fase que vale guardar. São coisas assim que deixo em minha memória e não tristezas Eu mesma gosto de fechar todos os capítulos que já percorri.

Para mim, o que passou, passou.

Nossa vida deve ser encarada como um bom livro lido, que pode até ser guardado para uma releitura mais tarde, mas que não deve impedir a leitura de novos livros, talvez melhores ou não, mas sempre com novos personagens e novas tramas - isto é que dá sabor à vida - o inesperado e não o já sabido.

Mas o melhor mesmo é passá-lo adiante.

Gosto de passar adiante tudo que não uso mais e enche meus armários, minhas gavetas, meus pensamentos e meu coração.

Não que tenham perdido seu significado, mas já não servem para o presente.

Uma louça quebrada não tem mais a sua beleza original, assim são com os fatos de nossa vida, quebraram? Acabou a sua fase e devemos partir em busca de uma nova, que pode até não ser tão intensa quanto a que findou, mas será uma nova vivência, um novo momento a ser explorado.

Aí então, devemos nos entregar a ele com esperança e a certeza de saber que a vida continua, isto se fecharmos as portas do passado e abrirmos a do presente.

Não me prendo às coisas perdidas, foram perdidas; elas não me pertencem mais, fugiram ao meu controle, ou eu não tinha controle sobre as mesmas, como não se tem o poder de evitar a perda de um ente querido ou de um grande amor que acabou.

Fica uma suave lembrança, valeu enquanto foi presente, agora faz parte do que chamo bauzinho das recordações, que até podemos abrir algumas vezes, mas não ficar presos a ele. A chave deve ser guardada em lugar de difícil acesso para não ficarmos tentados a toda hora fazer uma visita.

Só acho que não se deve jogar a chave fora.

Gosto de, às vezes, dar uma olhada e ter a alegria de ver que superei o passado e estou de volta ao presente, cheia de vida.

Leia Mais (no Vida Leve)

Veja Também (na internet)

Yêda Saraiva é pedagoga e professora de História, Psicologia e Sociologia * Rio de Janeiro/RJ

Hospedagem