O Amor é uma Sombra

Sentada, a sombra falou-me o que sentia...

Debrucei-me para acariciá-la e pude sentir seu cheiro de vida.

Ela contou-me de sua existência dependente.

Me fez sentir a necessidade da existência do outro, para que ela pudesse existir. Salientou-me a temporariedade de sua vida diante das coisas. Enfim, me fez sentir o muito que precisava para chegar a ser...

Sua sobrevivência era independente de sua vontade, não bastava querer, seu poder era desprezível diante do resto que se tornava todo frente a ela.

Transmitiu-me tudo embebida num doce que amenizava cada passagem. Ela mostrou-se conformada e feliz diante da vida que lhe aparecia a cada instante... Sua falta de luminosidade ela explicou-me fazendo sentir no opaco o clarear do muito... O muito que é intenso, o muito que não se apalpa, o muito que não respira... o muito que era ela na sua fragilidade.. Seria difícil, ou impossível, ela voltar à mesma a cada segundo que passava...

No balanço do vento, ela, a sombra...

Na existência do homem... a sua existência...

Na cruz de Cristo... a sua imagem...

Na manjedoura do Menino, ela se viu e se elevou junto a Ele.

Jesus nasceu...

Elevemo-nos com a Sombra que vem dele, que é Ele, e busquemos o amor...

O amor é invisível e como a sombra não existe só.

O amor é sombra do homem. Abre-te e na receptividade de tua consciência, coração, alma, busca esse amor que é Jesus Menino, busque esse amor que é sombra de Cristo.

MARIA DA GRAÇA SEBAG é química. Em seu pós doutourado pela UFRGS desenvolveu um método de obtenção de nanotubos de carbono mais simples e barato que os já conhecidos mundialmente. Nas horas vagas dedica-se à pintura e seus escritos * Porto Alegre/RS * mariasebag@bol.com.br / mariasebag@yahoo.com.br
Reprodução do Correio do Povo, idos de 70, talvez 79 (veja mais)

Hospedagem