Dominância Cerebral na Aquisição de Conhecimentos Gramaticais (parte 1)

“Um sonho não serve apenas para ser sonhado: precisa também ser vivido”. (Mário Quintana)



Entender o porquê das dificuldades na aquisição de conhecimentos gramaticais é o objetivo deste trabalho que traz a identificação da nossa dominância cerebral como uma ferramenta a mais a ser analisada por educadores interessados no real processo de ensino-aprendizagem.

Reforço minhas reflexões, como professora de línguas, em uma das indagações do lingüista e estudioso Noam Chomsky (1988 apud RAPOSO, 1992: 27): “Quais são os sistemas físicos do cérebro do falante que servem de base ao sistema de conhecimentos lingüísticos?”.

O autor também afirma que “o pensamento científico e humanista tem uma extrema dificuldade em assumir que os produtos do pensamento (entre os quais a linguagem) possam radicar na natureza biológica dos seres humanos tal como as estruturas anatômicas” (CHOMSKY, 1988 apud RAPOSO, 1992: 26).

A Dominância Cerebral na Aprendizagem vem como um instrumento a mais para ser usado pelo docente em relação às diferentes estratégias de que nos utilizamos para o ato de aprender.

Todos os meus estudos sobre o funcionamento do cérebro foram realizados no Instituto Brasileiro de Balanceamento Muscular do Rio de Janeiro onde pude aprofundar informações sobre a Integração Cerebral.

Minha pesquisa em relação a esses assuntos e a coleta de dados informativos com alunos do curso de Formação de Professores do Ensino Médio, trazem a mim uma certeza: este trabalho vem ao encontro do objetivo de Educadores: provocar estímulos intelectuais.

Somos seres semelhantes, mas não iguais. Somos globais e uniduais. Aprendemos de formas e em tempos diferentes. Nossos hemisférios cerebrais apresentam características distintas e isto nos remete ao conceito de que nos utilizamos de estratégias diversas para o ato de aprender e aqui, mais especificamente, para o ato de aprender gramática.

O complexo processo de como ajudar aprendizes a melhorar a aquisição de conhecimentos de gramática em salas de aula tem sido um dos aspectos mais considerados e discutidos por muitos gramáticos, estudiosos e pesquisadores da linguagem.

Dentre muitas definições à respeito da gramática, o fato é que ela está ligada à regras e regras fazem parte de um conhecimento automático e inerente de nossas funções cerebrais.

Segundo o doutor em Lingüística Portuguesa pela Universidade de Lisboa, Eduardo Paiva Raposo (1992), a gramática é um sistema de regras e princípios radicados em última instância na mente humana e não em propriedades absolutas consideradas em si mesmas, o que ele próprio denomina de “gramática interiorizada”, ou seja, uma gramática exclusivamente relacionada ao objeto real na mente, ao objeto mental.

Nos últimos vinte anos as investigações sobre a “gramática interiorizada” consistem por um lado num dicionário mental das formas da língua e por outro num sistema de princípios e regras atuando de forma computacional sobre essas formas, isto é, construindo representações mentais constituídas por combinações categorizadas das formas ligüísticas.

A pergunta vem ser a seguinte: como cada tipo de aluno aprende melhor os conhecimentos gramaticais sendo capaz de relacionar a forma e o uso dos mesmos?

A base consiste nas reflexões que surgem no ambiente da sala de aula. Então, não seria o ambiente escolar, o espaço mais apropriado para se trazer à tona questões ligadas às dificuldades de adquirir conhecimentos gramaticais? Os princípios são a forma de estar e trabalhar em sala de aula a fim de se levantar questões que permitam colocar a qualidade de vida na sala de aula em primeiro lugar e procurar entender o que acontece no nosso cotidiano escolar. O grande envolvimento seria o de alunos e professores trabalhando juntos na busca desses entendimentos, procurando a união de todos e o desenvolvimento mútuo.

Leia Mais (no Vida Leve)

Veja Também (na internet)

MARALIZ LEITÃO, professora docente de Língua Portuguesa e Inglesa, especializada em Tradução, pós-graduada em Lingüística Aplicada da Língua Inglesa — Friburgo/RJ + (21) 9368 7811 / (22) 2533-3004 * maraliz@oi.com.br\r\n

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
\r\nALLWRIGHT, D. Principles of and for exploratory practice. Mimes. Lancaster University, United Kingdom, 2002
\r\nCELCE-MURCIA, M; HILLES, S. Techniques and resources in teaching grammar. England: Oxford University Press, 1988
\r\nFREIRE, P. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979
\r\nGADOTTI, M. Projeto Político Pedagógico da escola: fundamentos para sua realização. In Autonomia da Escola: princípios e propostas. São Paulo: Cortez, 1997
\r\nMASETTO, M. T. Aulas vivas. São Paulo: M.G, 1992
\r\nMILLER, I. et al. Pela qualidade de vida na sala de aula. In 2o Seminário Internacional de Educação. Campinas, 2003
\r\nPERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício do professor: Profissionalização e Razão Pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002
\r\nPÓVOA, H. et al. Nutrição Cerebral. Objetiva, 2005
\r\nRAPOSO, E. Teoria da Gramática. A faculdade da linguagem. Lisboa: Editorial Caminho, 1992
\r\nREADER’S DIGEST. Maximize o potencial do seu cérebro. In ALDRIEDGE, S. Et al, Cérebro esquerdo – cérebro direito. Rio de Janeiro: Seleções do Reader’s digest, 2004
\r\nROMÃO, J. E. Avaliação dialógica: desafios e perspectivas. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 1999

Hospedagem