Menos Dores e Gastos

É na boca que muita coisa começa! Como o peixe, é pela boca que muitos seres humanos morrem. A obesidade crescente no mundo acarreta, entre outros: diabetes, hipertensão, doenças do coração, câncer etc, etc. Na boca encontramos alguns dos primeiros elementos que trabalham para o processo digestivo, eventualmente nutrição. Eventualmente porque se você só coloca porcaria na boca, nutrição que é bom...

Os dentes têm finalidades mecânicas como cortar, triturar os alimentos concorrendo para um primeiro dos inúmeros fenômenos químicos que acontecerão ao longo da digestão. A mastigação é de extrema importância, pois partir os alimentos em mínimas unidades e misturá-lo bem à saliva proporciona maior eficiência no processo, melhor aproveitamento de nutrientes, diminuição de problemas digestivos. Há quem reduza os níveis de obesidade melhorando a mastigação. Dizem os macrobióticos que é necessário beber os sólidos e comer os líquidos.

Dentes, pois, são fundamentais. Você já usou algum liquidificador com lâminas partidas? Como seria essa liquidificação? E mastigação com os dentes quebrados ou faltantes? Pois é, n´é?

Parte dos alimentos triturados, quando não limpos corretamente, ficam em contato com os dentes proporcionando várias interações químicas e bacterianas que prejudicam diretamente os dentes, indiretamente a digestão. Decorrências: mau hálito, cáries, dor, quebra e queda de dentes (igual mastigação ruim). Dentes mal conservados, estragados, além de suas próprias dores por inflamação, abscessos, são causadores de males maiores, debilitando e comprometendo a saúde como um todo.

Dentre as dores terríveis estão as de dentes. Realmente existem algumas que são pequenas, outras médias, mas as grandes dores de dente são insuportáveis! Nessa área, o melhor remédio chama-se: prevenção. Prevenir é, aliás em qualquer área sempre foi, melhor do que remediar.

Na prevenção alguns elementos são básicos: fio (ou fita) dental, escova, creme dental, critérios, hábito e técnica. Alguns poucos reais mensais, possivelmente centavos diários, manterão você longe de dores e de custos muitas vezes enormes.

Começando por critérios. Fundamental: fazer higiene a cada alimentação (hábito a ser gerado por esse critério). Lógico, se você beber água isso não é necessário. Para a maioria dos sucos naturais basta um bochecho com água, mas para sucos adoçados e refrigerantes melosos (todos são), faz-se necessário uma boa higiene bucal (escova, creme e água). O fio (ou fita) é indispensável quando há alimentos sólidos. Lembre-se que a escovação mais importante é antes de dormir, pois a noite há uma diminuição significativa da saliva e a placa bacteriana permanece maior tempo em contato com os dentes. Algumas vezes, ao longo do dia, complica, né? Não há local apropriado, preguiça... Mau hábito igual a mau hálito, dor, doença, gastos desnecessários... a escolha é sempre uma opção pessoal...

Falou-se de doce. Gostoso, né? O açúcar refinado é um inimigo natural e mortal dos dentes. Vamos, então, à técnica. É preciso sim. Se você coloca simplesmente a escova chapada sobre a frente dos dentes e fica movendo a mão para a direita e para a esquerda, o resultado preventivo de sua escovação está bem próximo de zero.

Vamos lá. Como já vimos, se a alimentação é sólida o primeiro passo é o fio dental. Detalhe, fio ou fita. A escolha se dá de acordo com seus dentes. O fio é usado pelas pessoas que tem o espaço interdental muito apertado, a fita por quem tem espaços largos, muito comum em gengivas com nível alto de retração. Daqui prá frente, quando se fizer referência a fio isso significa: fio ou fita. Acertado?

O tamanho do fio deve ser adequado, nem muito curto, que evita uma boa movimentação das mãos e do fio, nem muito comprido. Vá experimentando até achar o tamanho ideal. Comece com uns 30 cm (aproximadamente). Após prender a extremidade do fio em cada mão, aprenda a colocá-lo sem ferir a gengiva. Uma vez colocado no espaço interdental, base dos dentes, mantendo uma das mãos fixas, gire suavemente o fio sobre a gengiva com o objetivo de retirar o alimento aí alojado. Faça esse movimento mesmo quando não haja aí alimento efetivamente. Depois percorra as laterais de cada um dos dois dentes entre os quais você colocou o fio. Faça isso para cada par de dentes. Se você não tem dentes faltantes, quatro de seus dentes só terão contato com outro dentre de um lado, do outro não. Não esqueça de passa o fio nesse lado onde não existe o contato. Aí pode se alojar não apenas alimento, mas placa bacteriana. A função do fio é, também, combatê-la. Após o uso do fio bocheche bastante. Se você é muito criterioso uma segunda passagem pode ser feita. Logo a seguir da primeira ou após a escovação.

Para a escovação os critérios são: escovas macias, cremes dentais de baixo poder abrasivo, com ação antiplaca. Se você tem sangramento nas gengivas (cuja causa não seja as placas), gengivas mal-tratadas ou sensíveis aí, então, você precisará de pastas especiais que resolvem esses problemas para você. Se a gengiva sangra, visite também seu nutricionista para que ele mexa em sua dieta. Provavelmente falta vitamina C, em quantidades suficientes, no seu cardápio diário. Também o nutricionista, porque o dentista é o primeiro a ser visitado.

Agora a técnica. As escovas devem percorrer os dentes superiores de cima para baixo, os inferiores de baixo para cima. O movimento começa a partir do contato com as gengivas num ângulo aproximado de 45º. Tanto por dentro como por fora e o alvo são os espaços interdentais (cada um deles!). Depois vem um cuidado especial com os dentes mastigadores, naquela parte onde eles se encontram para triturar os alimentos. A escova age horizontalmente, primeiro da esquerda para direita ou vice-versa, depois transvesalmente (acompanhando as linhas de contato dos dentes). Não se esqueça que há mastigadores superiores e inferiores! O cuidado é com todos. Para terminar escove a língua também.

Pronto! Agora bocheche bastante. Em especial se sua pasta contém flúor ou algum outro produto químico específico não engula. Se seu creme dental for à base (verdadeiramente) de Aloe Vera (necessariamente sem flúor já que são incompatíveis) e que dispensa certos componentes químicos para combater a placa ou branquear, nenhum problema. Aliás, crianças que, muitas vezes, por brincadeira e pelo “gostinho bom” engolem a pasta, apesar de todas as advertências dos pais, só deveriam usar pastas à base (verdadeiramente) de Aloe Vera. A ingestão indiscriminada de flúor na infância pode manchar permanentemente os dentes.

Não esqueça da sua visita habitual a seu dentista. Ela poderá reduzir custos maiores. Descobrir uma cárie no início e tratá-la pode evitar futuros tratamentos de canais, extração e colocação de dentes artificiais. Com todas as dores e custos não tão baixos como o de um simples visita a seu dentista para inspeção .

ANDRÉA DE SOUSA DOMICIANO, cirurgiã dentista, CRO 29390, em curso de atualização em estética pela UERJ, atende, em clínica geral, a crianças, adultos e adolescentes - Rio de Janeiro/RJ - (21) 2256-5323 / 2255-4467 - andreasodomiciano@hotmal.com

Hospedagem